terça-feira, 11 de maio de 2010

Adriano Nunes: "O cérebro"

"O cérebro"


Desço dos assombros sinápticos
Desiludido e deserdado.
Preciso dar-me ao inalcançável,
O meu tédio remediar


Com alguma vasta vontade,
Com alguma pirraça prática,
Escrever um verso e lançar-me
Aos liames do coração,


Debruçar-me sobre as calçadas

Da memória, enquanto a voz sangra,
Entregar-me ao descanso, ao salto
Dos sentidos, ser mais um náufrago

E fundo afundar-me nas montanhas,
No cerne do corpo, e cantar,
Impregnando sóis e os arquétipos,
Por bastar o flerte, a impressão


Da sustentação vertebral,
A medula, a máquina, as tantas

Medusas e Medeias mordazes,
A ideia, sim, a ideia, e mais nada.





2 comentários:

maybe disse...

I'm appreciate your writing skill.Please keep on working hard.^^

Vieira Calado disse...

É o que é preciso!

Ter ideias.

Forte abraço