segunda-feira, 30 de agosto de 2010

ADRIANO NUNES: "Boletim de Ocorrência"

"Boletim de Ocorrência"



Que pobre rima!
Que pobre rima!

Um verso branco,
Um saltimbanco,
Andando manco...
(Com pé quebrado?)

Agora mesmo,
Furtou-lhe o fim!






4 comentários:

betina moraes disse...

ocorrência típica de poeta!

genial, querido adriano, genial.


gostei muito da foto nova no alto, nos dá grande representação de quem pode ser você, acadêmico e libertário. ficou ótimo!


um beijo!

ADRIANO NUNES disse...

Amada Betina,


Esse foi o meu convite de formatura, em 2000. Tenho dez anos de formado. Eu quem fiz a homenagem ao cadáver desconhecido.


beijo imenso!
A. Nunes.

Daniela Delias disse...

Que coisa bonita! Um beijão...

betina moraes disse...

querido adriano,

sempre que me lembro de sua opção pela medicina fico especialmente feliz. explico-me, por uma via do destino eu e meus irmãos fomos criados por um tio (irmão de minha mãe)e pela companheira dela. ele é uma criatura especialíssima, assim como minha tia, ambos são humanitários e solidários, ele médico e ela professora. em nossas conversas ideológicas ele faz grande referência a falta de humanitarismo e amor pela medicina que observa entre os profissionais recém saídos das formaturas. diz ele que os médicos, para serem perfeitos, deveriam ser pintores, músicos ou poetas, mas infelizmente estes não seguem a medicina.

da próxima vez em que estiver com ele, mostrarei seu trabalho. tenho certeza de que através da leitura de seus versos ele ficará esperançoso quanto ao futuro da medicina.

:)

imagino que entre os seus colegas de turma você tenha sido uma unanimidade para fazer a bela homenagem ao cadáver desconhecido, por carregar a nobreza necessária para o sentimento de respeito e gratidão.

como sei?

fácil, você é uma poeta transparente.

parabéns por permanecer na luta do exercíco da medicina e da poesia, navegando em uma bela jornada do espírito humano.

um beijo!