terça-feira, 22 de junho de 2010

Adriano Nunes: "Não se morre... Somente" - Para Antonio Cicero.

"Não se morre... Somente" - Para Antonio Cicero


Não se morre... Somente
O tempo é que se esquece
De ser o tempo, e apressam-se
As Parcas, ao presente.

Nada se desvencilha
Do instante fugidio.
Vê-se o vasto vazio,
N'alma, feito armadilha.

A memória de tudo
Vinga, e o flerte, disperso
Num universo mudo,

Afunda-se no inverso
Da morte. Porque tudo
É viver... Viver só.





Um comentário:

Lara Amaral disse...

Uma incrível concepção sobre o assunto. Gostei muito.

Abraço.