domingo, 20 de setembro de 2009

Adriano Nunes: "À vista"

"À vista"


Em casa,
Outra casa me interessa.
Então,
Eu corro, com toda pressa,
Pra ver,
Da janela, em que se esconde
Tal lar.
Meu ser não sabe por onde

Começar a procurar.
O verso,
A vida que vou levar,
O ritmo,
O risco que vou correr,
A métrica,
A parte que vou perder
De mim

Enquanto me vejo em tudo,
Agora
Que importa? Penso desnudo
O mundo,
À porta do que há lá fora,
E o sonho
Sequer finda nem me leva 
Embora.








6 comentários:

Tonha Demasi disse...

Gosto do ritmo proposto.
Da procura
Do bom gosto.

Encontrei o autor
meio as palavras de Antonio Cícero.
Um acontecimento.

Bipede Implume disse...

Um poeta português - Sebastião da Gama - também diz: "Pelo sonho é que vamos, comovidos e mudos"
Este poema é lindo porque também nos leva para o sonho.
Uma semana feliz para ti, meu amigo.
Isabel

ADRIANO NUNES disse...

Amigas Tonha e Isabel,



Obrigado pelas palavras! Muito grato!


Grande abraço,
Adriano Nunes.

Ana Tapadas disse...

Gosto deste ritmo de escrita. A Isabel tem razão.
beijinho

betina moraes disse...

adriano,

você escreve como música!


ficu muito bonito o verso

e a repetição dá uma impressão de ir e voltar, ir e voltar... lindo.


grande abraço!

Marcos disse...

Adriano,
meu sonho é mudo,
meu destino é grito.

Agora a minha espera
é meu presente:
Cheio de jeitos.

Abraços!!!