sábado, 21 de fevereiro de 2009

Adriano Nunes: "Quântico carnaval"

"Quântico carnaval"


Entre os livros, quântico carnaval.
Revesti-me de alguns versos, de sóis
De metáforas, e me embriaguei
De toda a lida, de quimeras infindas.

Fui as sobras dos carros alegóricos
De cada palavra, e, assim, desfilei. 
Brinquei de horizontes e, extasiado,
Inventei as avenidas de Olinda,

Recife, Rio, Veneza, Salvador,
Abriguei os portentos e as paisagens
Em meu âmago, pra ter vida ainda...
Eram ecos, mas  me encontrei, de fato.

De colombina, a poesia, linda.
Sim, entendi a bruta eternidade e
Fervi na febre do frevo fugaz
De quatro dias: sináptico amor

O vácuo das conversas invadia
E pulsava oxímoros, medos e taras,
Pra parar, subitamente, depois,
Na berlinda do que houvera e se foi.




6 comentários:

Palavras de um mundo incerto disse...

Meu amigo, poeta, Adriano. Sou Judas do Carnaval. Não gosto de Carnaval.
Aqui deixo um poema, para compartilhar com o belo escrito por ti, de Mario Quintana.

"O SILÊNCIO

O mundo, às vezes, fica-me tão insignificativo
Como um filme que houvesse perdido de repente o som.
vejo homens, mulheres: peixes abrindo e fechando a
[boca num aquário
Ou multidões: macacos pula-pulando nas arquibancadas
[dos estádios...
Mas o mais triste é essa tristeza toda colorida dos
[carnavais
Como a maquilagem das velhas prostitutas fazendo
[trottoir.
Às vezes eu penso que já fui um dia um rei, imóvel no
[seu palanque,
Obrigado a ficar olhando
Intermináveis desfiles, torneios, procissões, tudo isso...
Oh! Decididamente o meu reino não é deste mundo!
Nem do outro..."


Abraços!


Marcos Seiter

líria porto disse...

nesse contexto de carnaval:

escanteio
líria porto

meu mestre-sala
dançou com roseli

chegou da dispersão tão distraído
tão esquecido de mim
deu-me beijo de bom-dia
e foi dormir

*

vou dar um rolé pelo teu blog...

Ana Tapadas disse...

Gostei do teu poema.
A única máscara que conheço é esta que nos cobre a alma: o corpo.
Beijinho

Mariano disse...

Muito bom, poeta-dínamo. Este poema é da mesma genealogia dos versos de Bandeira no livro "Carnaval".

Bipede Implume disse...

Gosto dessa fantasia: "vestimo-nos de versos".
Lindo o teu poema.
Beijinhos.
Isabel

Ana Tapadas disse...

Obrigada e boa semana!
Bj