segunda-feira, 12 de março de 2012

Adriano Nunes: "era para ser uma canção de exílio"

"era para ser uma canção de exílio"



meu canto de exílio
é o ruído de um riacho quase seco,
é isso.

nunca vi sabiás
nem saberia dizer como é um.
palmeiras? só as conheço

de longe.
mas o meu coração abriga o
infinito.



3 comentários:

MIRZE disse...

Maravilhosa canção em forma de poema.

"ninca vi sabiás". Agora está difícil mesmo para encontrar essas aves.

Abraços, poeta

Mirze

carmen silvia presotto disse...

Infinito em poesia sempre e leio em redes sociais e releio cá...

Boa semana, beijos, Adriano.

Carmen.

ADRIANO NUNES disse...

Cara Mirze e cara Carmen,

muito obrigado!


Abraços,
Adriano Nunes