sábado, 19 de março de 2011

Adriano Nunes: "Um pedacinho que vai" - Para Antonio Cicero

"Um pedacinho que vai" - Para Antonio Cicero


A vida é a vida.
Cedo ou tarde, tudo
Nela cabe: surtos,
Mentiras, vontades, 

O que ninguém sabe,

Áurea realidade.
A vida é a vez,
O que não se pode

Perante o silêncio 
Do acaso, da sorte.

Se assim nos assusta,

Se assim nos alegra 
Com rígidas regras,
Se até nos abriga

Com a gravidez 

Múltipla, não é
Senão voraz Arte?
Dentro da memória,
Fica um pedacinho
Que vai, sem mais volta,


Verso declamado 
Outrora, o amor mor
Com a eternidade
À prova, a grã dúvida
Do que se fez vasto,


Necessário, inúmeras 
Portas: esta vida...
Como decifrá-la,
Com a fala, enquanto 
Ela nos devora?

4 comentários:

Emoções disse...

No fundo de cada alma há tesouros escondidos que somente o amor permite descobrir.

evandro mezadri disse...

Muito legal, Adriano!
A vida é isso mesmo, perfeitas palavras.
Grande abraço e sucesso!

betina moraes disse...

cicero deve ter gostado dos sentidos que você apontou na vida.

belo, meu amigo!

um beijo.

ADRIANO NUNES disse...

Emoções, Evandro e Betina,

Que bom que gostaram! Fico muito feliz!

Abraço fraterno,
Adriano Nunes.