quinta-feira, 24 de março de 2011

Adriano Nunes: "Eu não sabia que era assim"

"Eu não sabia que era assim"



Lanço-me ao espelho...
Outro cara me encara
Outro ser diz ser eu
Gestos
Gostos
Gritos
Gozos
Frente a frente as faces

Confundem-se,
Espalham-se: ilhas
De sonhos frustrados,
Repetidos lances
De acasos,
Recheios de receios, 
Casca... E quase mais
Nada.

Quantas efígies
Existem
Em mim que desconheço?
Uma? A que convivo
Sempre sem um apreço?
Duas, tais cara e coroa?
Ou Caeiro, Ricardo e Álvaro
Vivos em minha pessoa?

Quantos eus e outros eus e
Máscaras
Mesclam-se ao que sou?
As afeições fictícias
Quem em mim as fixou?
Dr. Lao e suas sete faces?
As sessões de psicanálise?
Iago, Otelo, Hamlet, Falstaff?

O medo inicial de ser médico?
O temor profético
De que a vida se completa
Quando me vingo poeta?
Ou as vagas lembranças
De quando eu era criança
E amava andar de bicicleta?
Os amores que não tive e

Tive em memória, ilusórias
Imagens - mágica vontade
De ser amado -
De mim para tudo que me sinto?
Quantos espectros
Ainda resistem recalcados,
Ante o vazio do quarto, e pesam
Ser o ser que me cabe?

Quantos estão dispostos
A vir à tona?
Quantos querem
Surgir sem trauma?
Quando terão coragem de
Ser quem me abrigo agora?
Quando virão sem medo
À mostra?

Lanço-me ao verso...
Desisto de ser qualquer
Tempo que de mim espero.
Tudo é o oposto do coração...
Sou urgentemente eu mesmo.
Ninguém me chamou pelo nome.
Ninguém contou até trinta
Para ver se eu me escondia.

Ninguém me deu a chance
De rasgar de vez a fantasia.
Ninguém ousaria. Ninguém
A sangrar
Sobre as sombras
Da minha rebeldia mais íntima.
Ninguém me acenou na despedida...
Eu não sabia que era assim.







Um comentário:

Celso Mendes disse...

todas as efígies se revelam à poesia, quando feita de peito aberto e verbo ao vento. e é isso que dá o prazer de escrever ao poeta: seu autorrevelar-se...

belo poema!

abraço!