quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Adriano Nunes: "Prescrição" - Para Péricles Cavalcanti

"Prescrição" - Para Péricles Cavalcanti

Entre um verso e outro, vou
Percebendo o quanto sou
Solto: por vezes, alço voo...
Invento um cérebro novo.


Onde fica o fim do poço?
Vejo que nada mais ouço.
Traços ou troços? Bem, roço
O eco do ser, arcabouço

De um mundo e outro. Talvez,
Um pouco de mim, de vez.
Mas com quanta lucidez,
Sou eu do encéfalo à tez?




Um comentário:

Marcio Nicolau disse...

Identificação total com este poema. Confira, se quiser, no www.espacointertextual.blogspot.com