quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Adriano Nunes: "Às vezes, só me faz calar"

"Às vezes, só me faz calar"


A minha alegria tem nome
E certidão de nascimento.
Em seu cerne me crio, invento...
Este verso que me consome.

A amada alegria tem lar,
Logradouro certo, conversa
Quando convém, vive dispersa...
Às vezes, só me faz calar.

A alada alegria, sem mais
Nem porquês, desata meus nós,
Desafia-me a fundo, e, a sós
Comigo, curte o mar, do cais.

A minha alegria tem braço,
Perna, boca, cérebro, cor,
Cerca meu ser por onde eu for...
E, quando a canto, outros laço.




2 comentários:

Isabel Santos disse...

Gostei, achei bem interessante, é como um ser que vive em você, um sentimento um tanto quanto imaginário e ao mesmo tempo real.

Um grande beijo amigo.

Isabel Santos.

Ana Tapadas disse...

Gostei do ritmo e da temática.
Beijo