sexta-feira, 8 de abril de 2011

Adriano Nunes: "Arte poética" -

"Arte poética"



Não creio mesmo em
Conto de fada.
Para mim, sempre

É tudo ou nada.

Todo amor vinga
Quando amor é.
O tempo passa 

Quando até passa.

E passou... Nem
Deu pra saber

Se a pena fez
Valer a vez.

Porém, às vezes,
À vida entrego-me e

Cravo teu nome
Em mim - que aceites,

Espero.  Um verso
Vem, de repente,
De ideias quentes.
Como? Um mistério

Dentro do cérebro!
Quimeras mágicas 

Trazem-me excertos
Do que me alarga,

Tantas palavras
Com asas! Mas
Meu coração
Agarra-as mais!

E vez ou outra,
Lanço-me ao báratro

Infindo. Acho
A lida pouca.

E nado entre 

Os tubarões,
Ouço sons bons,

Sozinho, plácido.

E canto alto
Pelos sagrados 

Cantos do quarto:E vingo ausente.

2 comentários:

Mariano disse...

poemaço !

Celso Mendes disse...

a eterna viajem que só a poesia proporciona... muito bom!

abraço!