sexta-feira, 24 de abril de 2009

Adriano Nunes: "Engano"

"Engano"



Talvez, por estranhar demais meu ser,
A tudo me entrego, para só ser:


À saudade
Dos acordes daquele amor que já não arde,
Aos meus versos
Guardados, às pressas, em lugares diversos,
Às mentiras
Que me engendraram entre liames e liras,
Às loucuras
Que me abrigaram nas horas densas e duras,
Aos meus medos
Que me protegeram de tantos arremedos,
Aos desejos
Que sempre vão e vêm em vorazes cortejos,
Ao vazio.


Depois, a minha vida se desdobra,
Aproveitando dos sonhos a sobra.



3 comentários:

Bipede Implume disse...

Olá meu amigo
Que poesia linda tu fazes. Por certo tua alma é igualmente linda, digo alma: ser humano.
Beijinhos para ti, amigo e tem um excelente fim de semana.
Isabel

Ana Tapadas disse...

Lindo!
Adoro a expressão «dos sonhos a dobra»!
Beijinho

Sampa City disse...

mas uma obra prima de poesia.
abs