terça-feira, 24 de março de 2009

Adriano Nunes: "Porto de pedras"

"Porto de pedras"


Do sobrado descrevo o coração
Que pulsa na cidade, o céu, os mares,
Os vértices de mármore, os pilares
Dos vastos devaneios da visão.

O meu ser se congela na emoção
E pra sempre se prende à poesia
Da paisagem. Em mim, o sol viria

Vertigem de linguagem e canção,

Sobretudo se se amalgama a ossada
Do limite das praias, do desvio
Da voz, no infinito que livre brada.

Cais, postes, praças, casas elogio,
Porém falta a palavra pra ser dada

À miragem de pedra, ante o estio.







2 comentários:

romério rômulo disse...

adriano:
a vertigem da linguagem pode ser
o encontro.
um abraço.
romério

Lou disse...

Adriano,

Um poema com belas imagens. Encantador!

Tem um “mimo” para você no Nudez Poética.

Abraços,
Lou