segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

Adriano Nunes: "Apenas possíveis"

"Apenas possíveis"


O meu coração
Ainda se prende
Ao poema. Tende
A ver que só são

Apenas possíveis
Essas inconfessas
Pancadas às pressas.
Os nítidos níveis

Desses vingativos
Versos são divinos.
Meço meus motivos:

Sou mesmo menino
Nesta Arte. Cativo
Do caos repentino.






2 comentários:

Janaina Amado disse...

Gostei muito deste poema, Adriano.
Só uma sugestão: talvez rever as maiúsculas do início dos versos, deixando apenas as do primeiro verso de cada estrofe, mais as que se seguem a pontos?
(Se não servir o palpite, simplesmente esqueça. Como disse lá no meu perfil, adoro palpitar. E não me aborreço nem um pouco se o palpite não serve, sempre vale a intenção, he he
Vc. fez este poema hoje? Ontem? Ou são textos mais antigos que anda postando?

ADRIANO NUNES disse...

Cara Janaína,


Os poemas aqui são de tempos distintos. Este é mesmo menino.

Grato!



Adriano Nunes.