sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

Adriano Nunes: "Mais vivo. Tudo convém" - Para Péricles Cavalcanti

"Mais vivo. Tudo Convém" - Para Péricles Cavalcanti


Às vezes, volto do verso,
Mais vivo. Tudo convém
Porque quero, e sinto, além
De mim, o meu ser disperso

Em mistérios. Que se esconde
Do poeta? O coração
Não me livra da equação
Do tempo: fugir por onde?

Com que força de vontade
Não ceder, a tal rompante,
Ao que me cerca e me invade?

Entrego-me. É importante
Dar trégua à cumplicidade
Das musas, mais adiante.





4 comentários:

Ana Tapadas disse...

Muito bom, mas sinto-me como na tua primeira estrofe.
beijinho

Vieira Calado disse...

Fugir para onde?

Já Pessoa disse:

Não se pode fugir

não se pode fugir...

Um abraço

betina moraes disse...

"Sinto além

De mim o meu ser disperso

Nas palavras."

adriano, você é um artista de imagens e gestos.


que belo verso, que bela imagem.

um abraço de fã!

Nydia Bonetti disse...

Também me sinto assim tantas vezes, Adriano... Mas eu não saberia descrever este sentimento tão bem e tão intensamente como fez neste poema. Belo demais.

beijo.